Vítor Pereira indica alternâncias no time titular do Corinthians e diz que o grupo tem respondido aos torcedores | Corinthians

Há pouco mais de 40 dias no Brasil, o técnico mostrou ter aprendido as lições da eliminação do Paulistão na semifinal e da derrota na estreia da Libertadores para o Always Ready da Bolívia, altitude.

Neste domingo, ele poupou jogadores como Renato Augusto e Gil, que ficaram no banco por 90 minutos. Agora a tendência é que o time se mova muito de jogo para jogo para que o time não perca intensidade por problemas físicos.

– Sempre precisaremos de todos disponíveis. O João Pedro fez um bom jogo hoje, consistente na defesa e no ataque, soube reagir a um mau momento no outro jogo, pelas críticas, jogou com carácter. Vamos precisar de todos, são muitas partidas, temos que continuar alternando jogadores, continuar nos renovando para manter o ritmo. Foi o que tentamos fazer hoje.

O Timão correu no jogo de ida, quando fez 3 a 0 com gols de Paulinho, Mantuan e Piton. No segundo tempo, com as mudanças em andamento, o Timão caiu e conseguiu um gol do Botafogo.

– Fizemos um primeiro tempo muito regular e no segundo conseguimos nos preparar um pouco, em três dias fizemos um grande jogo. Só com essa gestão isso é possível. Vejamos o jogo e as características do adversário, se são jogadores mais rápidos, se são mais fortes, para escolher a equipa. Todos são importantes para nós. Temos muitos jogos e temos de estar preparados.

Vítor Pereira em Botafogo x Corinthians — Foto: Alexandre Durão

A vitória na estreia do Brasileirão também foi vista como uma resposta do time aos torcedores, que se preocuparam com a postura do time, principalmente com a derrota na Bolívia. O treinador diz que entende a pressão de jogar na Corinthians. Ele só condenou ataques virtuais a atletas.

– A exigência feita com respeito é importante para mim e para eles. Conscientes de que não podemos baixar o nosso nível, representamos muita gente, e muita gente pobre que economiza uma semana para ir ao estádio, gente que não tem comida na mesa para ir ao estádio. Nós conversamos sobre isso. Deus nos abençoou para fazer o que amamos e somos bem pagos por isso. Não podemos esquecer que representamos muitas pessoas, milhões de pobres, esse é o espírito no terreno.

O resto a gente tem que criticar, você não pode criticar a família, ameaçar as mulheres, as crianças, isso é enlouquecer completamente. Isso é algo que espero que não aconteça novamente. Conversamos sobre isso, percebemos que você tem que focar no trabalho, no que você domina e deixar para pessoas competentes resolverem esses excessos. Não importa o quão apaixonados eles (os fãs) sejam, eles não podem ir lá. Eles podem ir para a acusação, nós temos que correr, lutar, eu estou bem com essa acusação. Temos que ganhar o apoio deles, o resto é com a polícia.

“Venha forte para o campeonato brasileiro”, projeta Careca Bertaglia | A voz da multidão

Veja mais trechos da coletiva de imprensa:

– Não é fácil. Este campeonato tem uma particularidade que aprendo. Chegamos para jogar contra um Botafogo com 40 mil pessoas em euforia. Em Portugal só se consegue isso nos grandes jogos. Já vi aqui várias vezes. O ambiente não é fácil, a competição não é fácil, a sequência de jogos é longa, o espaço entre eles é curto, procuro me adaptar e entender as características dessa liga para que o time se mantenha competitivo e não aconteça como tem acontecido já aconteceu de chegarmos às semifinais do Paulistão sem poder ser competitivos.

  • Revezamento no time titular

– A única forma que vejo para mantermos nosso time competitivo é através dessa gestão. Não é possível jogar hoje com um time e quarta com o mesmo. Íamos condenar nossa próxima partida, que é fundamental na Libertadores.

– As crianças (jovens) têm qualidade, precisam de um pouco de maturidade que os jogos vão dar. Foi um grande primeiro tempo, não demos chance ao Botafogo. Na segunda etapa conseguimos um pouco o jogo, mas vi o espírito do Corinthians em campo, muita raça, empenho, tanta força de vontade que às vezes chega a ser exagerado, como foi com o Roni, que está sob pressão, sente o clube como ninguém, então é natural que esses contratempos aconteçam. Mas estou orgulhoso por termos tantos jogadores básicos em campo. Temos o apoio da nossa torcida, hoje merecemos esse apoio. Eles cobraram e nós reagimos, é assim que deve ser.

  • Renato Augusto na reserva

– Gestão do Renato: conversamos, ele é um líder nato, se necessário ele iria ao jogo, a gente administrava um pouco, misturava juventude e experiência (na segunda etapa), ficou acertado que se necessário ele iria para o campo, mas não sentimos necessidade. Ele tem a oportunidade de chegar na quarta clara, zero, e acho que fomos bem.

A ge corinthians podcast está disponível nas seguintes plataformas:

+ Assista: saiba tudo sobre o Corinthians na Globo, sportv e ge

— Foto: Reprodução

Leave a Reply

Your email address will not be published.