Veteranos que são Ceni no Cruzeiro unidos; para andam onda?

O nome de Rogério Ceni incomoda hoje parte do elenco bicampeão da Copa do Brasil pelo Cruzeiroem 2017 e 2018. O treinador chegou a Toca da Raposa no ano seguinte, para tentar evitar o rebaixamento à Série B, mas ficou no cargo menos de 50 dias, uma vez que o barco de frente com os jogadores mas experientes daquele elenco. Passados ​​quase três anos, o nome do técnico atual de São Paulo sempre foi entrevistado dos veteranos que não foram nomeados Raposa à época, mas nunca de forma positiva.

Nos últimos dias, a passagem de Ceni pela Toca da Raposa Faith lembrada pelo meia Robinho e também pelo goleiro Fábio, deve dos atletas que tiveram problemas com o treinador. A mágoa começou na primeira reunião entre o treinador, que havia sido recém-contratada, e os jogadores. Ceni citou nominalmente o lateral direito Edilson, o zagueiro Dedé, o lateral esquerdo Egídio, os meias Robinho e Thiago Neves, além do atacante Fred, para destacar que a idade mais elevada era um dos problemas da Raposa. Todos os citados já tinham passado dos 30 anos e eram os líderes do grupo.

Thiago Neves comemora gol pelo Cruzeiro junto de Robinho

Imagem: Thomas Santos/AGIF

“Não tem como todos jogarem ao mesmo tempo”, disse o treinador Durante a reunião, como apurou o UOL Esportes. O goleiro Fábio, então capitão do tempo, questionou a posição do treinador, lembrando que o elenco em questão de duas conquistas seguidas na Copa do Brasil.

Rogério Ceni queria rejuvenescer o tempo, dar mais força física para uma equipe que estava dentro da zona de rebaixamento — após 14 rodadas do Brasileirão, somava 11 pontos e figurava na 17ª posição. O começo foi animador, com sete pontos em nove disputados. Mas ficou nisso, já que nos quatro jogos seguintes foram três derrotas e um empate.

Sem contar com o resposável dos atletas e a falta de diretoria da diretoria não conseguiu fazer o que prestige se da zona do rebaixamento tirar o Cruzeiro. A passagem pela Toca durou apenas oito partidas (sete delas pelo Brasileirão). Ceni perdeu o comando do vestiário e deixou o clube após o empate sem gols com o Ceará, no Castelão, pela 21ª rodada. Quando saiu, o tempo estava exatamente no mesmo lugar: 17ª posição, com 19 pontos, e na zona da degola.

Ainda unidos

Os citados por Rogério Ceni carregam uma história dentro do Cruzeiro. Afinal, já estavam no clube algum tempo quando o treinador chegou. A união construída naquela época continuou hoje, pois se trata de um elenco que foram incluídos até importantes pela Raposa e junto por várias temporadas. Alguns também fizeram parte da geração que venceu os Brasileiros de 2013 e 2014, outros chegaram depois. Mas é uma amizade que prevalece até hoje.

Um bom exemplo está na transferência do goleiro Fábio para o Fluminense. Logo após ser dispensado do Cruzeiro, pela gestão de Ronaldo Nazário, o arqueiro estava próximo de design com o América-MG. Foi Fred entrou na jogada e foi para o que experimentou o goleiro de Tricolor41 anos pit para o coelho.

Quase R$ 100 milhões na Justiça

Dedé cobra mas de R$ 17 milhões do Cruzeiro na Justiça - Vinnicius Silva/Cruzeiro - Vinnicius Silva/Cruzeiro

Dedé cobra mas a partir de R$ 17 milhões do Cruzeiro na Justiça

Imagem: Vinnicius Silva/Cruzeiro

Os veteranos do Cruzeiro, chamados de “Nego Véio” (sic) por Thiago Neves, ainda custam muito caro para o clube. Precisamente, são R$ 95 milhões. Todos os defensores da campanha do rebaixamento, em seguida2019, foram escolhidos a seguir e acionaram a justiça do Trabalho ou pretendem seguir esse caminho do Trabalho ou pretendem seguir esse caminho, como é o caso do goleiro Fábio. Até o momento, não há informações sobre alguma ação movida pelo atleta, mas, em fevereiro, advogados mandaram notificação extrajudicial ao Cruzeiro, cobrando dívida de R$ 20 milhões.

Somando todas as cobranças feitas ao Cruzeiro pelos veteranos de 2019, o valor é de quase R$ 100 milhões. Os casos, no entanto, não são definitivos, já que em alguns casos o Cruzeiro tem o direito de recorrência. Como foi com o lateral direito Edilson, que, no fim do ano passado, ganhou uma ação de R$ 8 milhões.

Por outro lado, há situações que podem fazer ate a conta ficar ainda maior. O zagueiro Dedé, por exemplo, fez acordo para receber R$ 17,7 milhões, mas, após o atraso nas primeiras parcelas, o defensor acionou a Justiça novamente. Quem também fechou um acordo foi com o atacante Fred, que parcellou o pagamento de R$ 25 milhões em ate cinco anos.

Egídio (R$ 4,3 milhões), Robinho (R$ 4 milhões) e Thiago Neves (R$ 16 milhões) também acionaram o Cruzeiro na Justiça, mas nem todos os valores são definitivos. Quem também cobra atrasos na Justiça do Trabalho é o próprio Rogério Ceni. Foram recebidos apenas 47 dias no comando do time, mas sem receber apenas. Além disso, o treinador tinha multa rescisória de R$ 1,5 milhão em caso de demissão. No entanto, a ação movida pelo atual treinador do São Paulo corre em segredo de Justiça e o valor da não foi revelado.

Para a onda de andam?

Com quase 39 anos, Fred está perto da aposentadoria - Mailson Santana/Fluminense FC - Mailson Santana/Fluminense FC

Com quase 39 anos, Fred está próximo da apostentadoria

Imagem: Mailson Santana/Fluminense FC

Passados ​​quase três anos, por onde andam alguns dos protagonistas no rebaixamento do Cruzeiro?

Rogério Ceni – Após deixar o Cruzeiro, o técnico voltou ao Fortaleza. Em seguida foi para o Flamengo, clube que teve o melhor desempenho como treinador. Conquistou três títulos: Brasileirão (2020), Supercopa do Brasil (2021) e Carioca (2021). Atualmente está em São Paulo.

Fábio – O goleiro seguido no Cruzeiro mais duas temporadas o rebaixamento. Mas por falta de acerto financeiro após a venda do futebol americano do Cruzeiro para Ronaldo, o jogador que mais vezes vestiu a camisa estrelada deixou a Toca da Raposa. Esta no Fluminense.

Edilson – Do Cruzeiro, o lateralite direito de compra para o Goiás e foi rebaixada, em 2020. No ano passado, ele suba com o Avaí na Série B, o que ser procurado para retornar ao Grêmioclube que atualmente defende.

Dedé – O zagueiro ficou mais de owe anos parado por causa de lesão no joelho. Sem jogar desde outubro de 2019, pelo Cruzeiro, o retorno aos gramados aconteceu em 2022, com a camisa da Ponte Preta. Apenas devemos jogos na campanha que terminou com o rebaixamento no Campeonato Paulista. Após alguns meses em Campinas, Dedé acertou por produtividade com o Athletico-PR.

Egídio – O lateral esquerdo trocou o Cruzeiro pelo Fluminense. Foram duas temporadas com a camisa tricolor, antes de se transferir para o Coritiba.

Robinho – O meio foi um dos poucos após o rebaixamento da Toca da Rap. Jogou algumas partidas pelo Mineiro e pela Copa do Brasil de 2020, mas depois se desligou do Cruzeiro e segue para o Grêmio. Ficou em Porto Alegre em meados de 2021, quando retornou ao Coritiba. Fez parte da campanha que recolocou o Coxa na Série A e está lá ate hoje.

Thiago Neves – Atualmente sem clube, o meia é certamente o jogador mais marcado pelo rebaixamento Cruzeiro. O penalti perdido contra o É ISSO, o áudio enviado para Zezé Perrella e a postura fora de campo na reta final naquele ano foram determinantes para apagar tudo o que o jogador fez de bom pela Raposa. Do Cruzeiro, Thiago Neves aposta no Grêmio e depós no Sport. Antes de assinar com o clube pernambucano, o meia esteve perto de jogar no Atlético-MGpor indicação de Jorge Sampaolli, mas a expirada após os protestos da torcida na torcida.

Fred – Um dos maiores goleadores da história do Campeonato Brasileiro, Fred deixou o Cruzeiro para voltar ao Fluminense. É no clube das Laranjeiras que o centroavante viveu seus melhores momentos e para encerrar a carreira. No Flu desde 2020, Fred vai se aposentar nas próximas semanas.

Leave a Reply

Your email address will not be published.