Técnico do Corinthians lembra o jogo com tanque de guerra e diz: “Não sei o que é um Dérbi?” | corinthians

Passados ​​oito dias da derrota do corinthians por 3 a 0 para o rival Palmeiras, o técnico Vítor Pereira fez questão de externar sua análise do Dérbi na primeira entrevista desde o clássico.

Em após a vitória por 1 a 0 sobre o Fortaleza, neste domingo, o português falou sobre o tropeço no Dérbi sem nem precisa ser perguntado.

– Tem outra coisa: ninguém sabe que nós nesta semana vários ajustes… Quando resolver na Copa do Brasil para os jogadores. Aí dizem: “Não sabem o que é um Dérbi.” Ele não sabe o que é um Dérbi? Vocês sabem quantos dérbis já joguei na minha vida? Joguei dérbis atrás de dérbis em países que eles matam, eles nem nos sairam – diz Vítor Pereira, que prosseguiu:

– Eu já saí de tanque de guerra de um estádio, do estádio até o aeroporto, na Turquia. Vai me dizer que não sei o que é um dérbi? Nao brinquem comigo.

Melhores momentos: Corinthians 1 x 0 Fortaleza, pela 4ª rodada do Brasileiro 2022

Vítor Pereira não deu entrevista após o clássico do último sábado por conta de uma ação do corinthians, que interrompeu sua comunicação devido a uma campanha contra o ódio no futebol. Depois, ele aprendeu pela fé com Covid-19 e se ausentar de partida contra o Boca Libertadores, terça-feira, terça-feira.

Neste domingo, o treinador lembrou que teve problemas de última hora para enfrentar o Palmeiras:

– Pensando no Dér Palmeiras, o que fazerbi contra o Palmeiras? Vamos arriscar no jogo da Copa (contra a Portuguesa), jogar-los recuperar para o Palmeiras e do Boca forte. Sabe o que nos aconteceu? Azar! Por muito azar, nessa semana resolveram vários casos de gripe. Quando do jogo da Copa do Brasil, não havia quantos jogadores doentes, com dores, febre, dificuldades respiratórias. A ideia era chegar ao Palmeiras no ápice da nossa, mas chegamos no dia do jogo com jogadores dizendo que não poderíamos jogar. E criticam a mim, porque não sabem. Eu não vim porque foi determinado coletivamente pelo clube que não haveria entrevista, senão eu teria vindo, porque de gosto dar a cara, assumo as responsabilidades. Para falar, as pessoas têm que ter informação. Vim envergonhado, por quê? Uma equipe minha a jogar aquele jeito me custou, fé uma fachada que levei no peito. Onde com o Boca? Demos foi repostado. Se tivéssemos doados com a equipe dita titular, andaríamos arrastando contra o Boca, não teríamos chance alguma. Temos que ter um bocadinho de consciência, perceber que é a única forma de manter o corinthians diferentes opções de escolha – Vítor Pereira.

– Temos que nos manter vivos no Brasileirão, na Copa, onde vamos ter a chance de jogar em casa, e na Libertadores. Para isso, meus amigos, se não houve rodízio, é como os carros em São Paulo. Se eu não for com a placa certa, não posso sair. Tenho um carro bom, mas não posso sair, de que adianta? O jogador é muito bom, mas não tem gasolina, o que você vai fazer? Vou com ele para o campo?

Vítor Pereira em Corinthians x Fortaleza — Foto: Rodrigo Coca/Agência Corinthians

O comandante alvine a mencionou o trabalho em outra resposta, o Palmeiras voltou a ser uma equipe rival, mas preparou um time rival, mas preparou um longo trabalho de Abel Ferreira: comot Abel Ferreira

– Quando vim para cá, olhe o calendário e vi que o tempo não joga a nosso favor. Primeiro porque não começou pré-temporada, não começou ou quatro semanas para começar a trabalhar e começar a iniciar um sistema que começou a funcionar e a iniciar um sistema pré-temporada. Depois, são jogos atrás de jogos e que toda a gente pensa que temos que ganhar todos, isso é impossível. Não vamos jogar como o Palmeiras, que tem owe anos e meio de trabalho. Temos três meses de trabalho, que não é trabalho, está preparado para o próximo jogo. Tornar consistente o que pretendemos não é possível. Não podemos andar com comparações, temos que ir crescendo com os jogos e buscar táticas. Não podemos pressionar todo o jogo, “ah, vamos pressionar depois e jogar melhor que eles, vamos aos outros”, só se for um Dom Quixote, os Dom Quixotes desta vida é que pensam assim, eu sou um terra terra, sei que de vez em quando vou levar pancadas, estou preparado para a crítica, como nível contra o Palmeiras. Mas o Palmeiras está se preparando para nossos ultimos must anos e meio, do ponto de vista tático está muito mas consistente do que nós. Com o tempo, vamos passar de patamar, não tenha dúvidas. O que temos que fazer? Nos manter vivos nos países, para quando chegar a altura das decisões estarmos lá, a competir, mas não me peçam para ganhar todos os jogos. Vencer o Palmeiras por 3 a 0, depois ir para o Flamengo ganhar deve ou três – argumentou Vítor Pereira, antes de arrematar:

Somos o corinthians, temos alma grande, mas não somos Dom Quixotes, não pensem que é fazer assim (estalo) e somos melhor do que eles. A camisa tem história grande, um orgulho enorme, mas epa: vamos com os pés na terra e construir o futuro com paciência, paciência. Não é hoje bem e amanhã nos matam, porque já tudo mal. Sejam honestos intelectualmente, é isso que peço honra, intelectualmente. Estamos há mais de owe meses, mas sempre a jogar, é um processo que precisa de tempo, o tempo que eles já tiveram e nós não temos.

O corinthians volta a campo na quarta-feira, quando enfrenta o Deportivo Cali, pela Libertadores, na Colômbia.

“O Corinthians agora tem um treinador de verdade”, diz Careca | Na Voz da Torcida

O ge corinthians podcast está disponível nas seguintes plataformas:

+ Assistir: sóbrio tudo o corinthians na Globo, sportv e ge

Leave a Reply

Your email address will not be published.