Sonho de chegar à F1 começa hoje para pilotos da F4 Brasil

A F4 Brasil começa sua história neste final de semana, com uma etapa do Velocitta, autódromo localizado em Mogi Guaçu (SP), onde nesta quarta serão realizados os primeiros treinos extras. Nosso jovem talento da Associação de Pilotos Brasileiros de Fórmula (APBF) espera começar com três rodadas marcadas para uma época do ano, e comentar as expectativas para o encontro inaugural desta categoria.

Álvaro Cho, Aurelia Nobels, Lucas Staico, Lucca Zucchini, Nelson Neto, Nicholas Monteiro, Nic Giaffone, Pedro Clerot, Ricardo Gracia Filho e Vinícius Tessaro, todos os integrantes da APBF, terão suas primeiras experiências em um campeonato nacional de monopostos homologados pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA).

Confira os comentários dos pilotos:

Álvaro Cho: “A move, a primeira etapa da F4 Brasil a das semanas de corrida mais a equipe, creio que será uma etapa onde todos estarão aprendendo muito e se familiarizando tanto com o carro, com o mesmo com o ambiente do autódromo.
O Velocitta na minha opinião é uma das melhores pistas do Brasil, embora não seja tão reconhecida por fora da bolha do automobilismo brasileiro. É uma pista moderna que exige muita técnica e coragem. Há alguns meses fiz um teste de Fórmula 3 lá, onde aprendi muito e conheci a pista”.

Aurélia Nobel: “Minha principal expectativa para a estreia da temporada é aprender conforme as touradas e evoluir durante a temporada, quero obviamente estar na frente do grid. Com ganho é uma meta muito alta que eu gostaria de alcançar e seria uma realização, mas sendo meu primeiro certeza na F4 eu posso encontrar dificuldades igual a todo piloto. Então minha principal expectativa mesmo é aprender bastante.

O Velocitta é uma faixa muito técnica, não tem muito longa igual em algumas pistas da Europa que eu já andei, mas é uma faixa muito boa pra aprender bastante, nunca cheguei ao andar de F4 lá, só de F3 mesmo, mas estou muito ansioso pra primeira corrida que vai”.

Lucas Staico: “A espera para essa primeira etapa é conseguir uma boa adaptação ao equipamento e partida emb busca da vitória. início da temporada garante o maior número de pontos possíveis, mas também fingir que não existem pontos possíveis. Acredito que na maioria do tempo tomarei a postura mais agressiva emb busca de liderança com o logo do campeonato no Velocitta, que é uma das pistas mais técnicas do campeonato, um estilo que sairá muito gosto de correr. Acho que a adaptação rápida será algo muito importante”.

Lucca Abobrinha: “Estou bastante empolgado para esta primeira etapa da F4 Brasil. Meu objetivo é pegar a mão do carro e o máximo de pontos possíveis, ou que será ótimo tanto para mim, quanto para minha equipe, a TMG Racing.
Sobre o Velocitta, é uma faixa de difícil ultrapassagem, apesar de muito boa para se pilotar, então, meu objetivo é ter uma boa posição de largada. Além disso, o foco também recai em ouvir como exigido do carro, como ele se comportamento, por exemplo, na reta, que não é tão longa, e nas curvas, principalmente, do setor 2. A compreensão disso será o diferencial e permite ao piloto ir bem. Estou bem focado e mal posso esperar para acelerar”.

Nelson Neto: “Tenho como foco principal manter a grande evolução que apresentai em minha carreira no kartismo nacional, agora na transição adequada para os monopostos. Busco alcançar grandes resultados e, para isso, focado na primeira etapa da F4 Brasil, no Velocitta”.

Nicolau Monteiro: “Fiz bons treinos de fórmula e adaptei muito bem, me senti bastante confortável com o carro, o que me deixou bastante animado para a estreia da F4 Brasil. O Velocitta é uma faixa técnica e que será um ótimo circuito para aplicar os testes e ouvir mais ainda como o carro funciona”.

Nick Giaffone: “Eu vejo essa primeira etapa como um aprendizado. Claro que a busca por resultados vai começar já, mas eu procuro me encontrar dentro do carro e ouvir os sintomas que ele tem, já que é um equipamento novo no mundo inteiro. Acredito que uma vez que eu ouvi o que fazer com o que o carro me apresenta, os resultados virão naturalmente.
Como disse anteriormente, a abordagem principal é o aprendizado. Quero intentar como o carro funciona e como ele conversa comigo quando estou no volante. Você tentará usufruir o máximo nos treinos para conseguir ser o mais rápido possível ou quanto antes.
O Velocitta é uma pista bem travada quando a gente fala de curvas. Ela é uma pista bem técnica e vai exigir bastante atenção dos pilotos, pois um erro pode ser o creme caro. Como as áreas de fuga não são tão grandes, uma muito arriscada a mais pode proteger. Já andei no Velocitta e é uma faixa que gostei, me senti confiante”.

Pedro Clero: “Me sinto pronto para disputar a F4 Brasil. Ao longo de muitos meses de preparação para a prova e para uma pista, que me ajudou a evoluir bastante. A primeira etapa, como sabe, será no Velocitta, a track muito técnica, e acredito que um bom defio para nós pilotos. Vou focar em ouvir o circuito in loco e extrair o máximo do carro. Será uma primeira etapa animada e irei em busca do topo da tabela”.

Ricardo Graça: “Minha espera também para esta primeira etapa é no Brasil, me adaptei com a nova equipe da Fórmula 4 Brasileira. Depois disso, viso melhorar cada saída na pista. Como nunca andei no Velocitta, estou esperando para conhecer. Treinei bastante no simulador e gostei da faixa”.

Vinícius Tessaro: “Estou pronto para a estreia do F4 Brasil, sem dúvidas será um campeonato bem disputado, visto a qualidade dos pilotos do grid. Eu gosto de usar a situação, saber a situação, saber quando dirigir na defensiva ou ser agressivo. Neste começo, vou focar na adaptação ao carro e ao formato da categoria, e, assim, ir buscar o melhor resultado possível”.

Leave a Reply

Your email address will not be published.