Presidente do Sport trata briga na Ilha como “fatalidade” e acredita em punição: “Rezar para que não seja” | esporte

É provável que sejamos punidos, é provável. Rezar para que não seja.

— Yuri Romão, Presidente do Esporte

Presidente do Sport, Yuri Romão — Foto: Anderson Stevens / Sport Club do Recife

Num primeiro momento, Romão refutou que cabia ao clube solicitar a presença da Polícia Militar no evento – a corporação, por meio de nota, comunicado que “não teve sua presença solicitada pela Federação Pernambucana de Futebol, nem pelo Sport Clube (sic!) do Recife, com pedido de policiamento” para partida.

– Era um jogo da base. A Polícia Militar não vem para o jogo da base, normalmente não vem. Ninguém imaginou que ia dar aquele público. Fé uma fatalidade. E, principalmente, a infelicidade de ter tido uma torcida organizada, e dentro das pessoas organizadas travestidas de torcedores. Que aquilo não são torcedores, são vândalos – alegou.

Confusão nas arquibancadas da Ilha do Retiro em Sport x Corinthians, pela Copa do Brasil sub-17 — Foto: Marlon Costa/Pernambuco Press

Questionado sobre a responsabilidade legal do tempo mandante com a segurança do cedor em eventos desportivos previstos no art. 14 do Estatuto do Torcedor, Romão com a culpa da responsabilidade do Torcedor Sport uma falha de segurança que não resultou em nenhum episódio de violência.

– Eu não estou dizendo que eu não tenho responsabilidade. Nenhum momento eu disse isso. Estou tratando da responsabilidade por não ter a Polícia Militar aqui. A condução da sua pergunta foi para dizer que a responsabilidade (era do clube) de chamar a Polícia Militar – alegou.

O que diz o Estatuto do Torcedor

Arte. 14. Sem dispostos a fazer nossas artes. 12 a 14 da Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990, a responsabilidade pela segurança do torcedor em evento esportivo é da entidade de prática desportiva detentora do mando de jogo e de seus diretos, que precisam:

I – solicitar ao Poder Público a presença de agentes públicos competentes de segurança, devidamente designados, responsáveis ​​pela segurança dos eventos esportivos dentro e fora dos estádios e demais locais de realização de eventos esportivos.

O momento em que torcedores do Sport invadem área de corintianos

Segundo Romão, a falha do clube foi justamente não adotar algumas medidas ao perceber a dimensão do público no estádio.

– A gente não esperava aquele público. (…) Havendo uma percepção pública de que o público seria maior do que o esperado, se começou a ter uma percepção de que o clube tem muito, a gente tem uma empresa (de segurança) que é fornecedora do clube há muito anos. “Tem uma previsão de ‘x’ pessoas, então me mande aí 50 homens” – explicado.

Ainda de acordo com o presidente, havia seis seguranças privados na Ilha do Retiro na partida.

Houve falha. Está aí uma coisa que eu não faço na minha vida: mentir e esconder-me atrás de nada. Eu assumo a minha responsabilidade

— Yuri Romão, Presidente do Esporte

Antes da entrevista ao idade, o presidente Yuri Romão fez uma reunião na Ilha Retiro para tratar justamente dos dias desta terça. E haverá mudanças para nos procedimentos internos de segurança jogos do Sport.

– A partir de agora, mudamos todos os protocolos. O nosso diretor de segurança, o coronel Adalberto, já orientou todo o pessoal do operacional para mudar todos os protocolos, melhorar o planejamento, inclusive os jogos da base, todos os eventos esportivos de modalidades olímpicas. Inclusive já tem uma ordem minha: se não houver planejamento, não há evento – finalizou.

Leave a Reply

Your email address will not be published.