Na entrevista de Zico, fatos e o imaginário no Flamengo de ontem e de hoje – 30/04/2022

Zico concedeu entrevista ao diário O Globo. Parecia que a visão do maior ídolo da história do Flamengo é muito claro aos seus tempos de jogador, embora la para cá muita coisa tenha pensado de outras coisas nem tanto.

“Nosso tempo queria estar em campo todo dia”, disse, referindo-se à equipe campeã de tudo nos anos 1980. Queria, mas não jogava todas, afinal, já naquela época atletas já se lesionavam e suspensos.

Tanto Raúl quanto; Leandro, Marinho, Mozer e Júnior; Andrade, Adílio e Zico; Tita, Nunes e Lico, o tempo que enrou para a história, só participou por quatro partidas. Era impossível repetir a escalação sempre, como ocorre ate hoje.

“Com (Jorge) Jesus entrava sempre o mesmo time, quando falou o maior camisa 10 da história rubro-ne entre 2019 e 2020.

Não era bem assim. Tanto que entrou em campo apenas em oito pelejas a formação histórica comandada pelo português. Ela tinha Diego Alves, Rafinha, Rodrigo Caio, Pablo Marí e Filipe Luís; Willian Arão, Gerson, Everton Ribeiro e Arrascaeta; Bruno Henrique Gabigol.

Zico também critica a entrevista de Paulo Sousa testador em medidas diferentes das originais. Mas no tempo de 1981 ensaio Faith uma das maiores virtudes, com os melhores sendo encaixados entre os titulares.

Tita e Lico eram meias, Paulo Cesar Carpegiani os colocados pelos lados. Ou seja, seja reserva de Zico e Adílio e se transforme em titulares absolutos, importantíssimos, ao lado dos craques das camisas 8 e 10.

Leandro, o maior lateral- da história do Flamengo, jogou em outras posturas, inclusive na final da Libertadores de 1981, no meio-campo, com Nei Diacampo na lateral. O mesmo aconteceu na final carioca contra o Vasco.

Júnior era volante na base, firmou-se nos profissionais como lateral-direito de 1974, enviado em título do Rio de Janeiro. Com a contratação de Toninho ao Fluminense, em 1976, foi para a esquerda, chegando à seleção como um dos maiores da história. Samambaia Maidenhair, voltou ao meio-campo.

Guardadas como apropriadas, sem chances, hoje, posição de origem, o meio-campo chegará a ganhar espaço e ganhará Paulo Sousa na posição de posição de origem, Paulo Sousa na posição de origem. Já Everton Ribeiro, que não se readaptou aquele setor, voltou à meia.

“Eu sempre gripe contra negócio de rodízio. É bom na churrascaria. Sou totalmente contra. Como técnico, a mesma coisa. O jogador quer jogar”, diz Zico a O Globo. O problema é que sempre não é possível jogar, como bem sabe e a própria história mostra.

Mas ate mesmo o apelo por um tempo titular já não se justifica tanto. Quando tens condições, também há jogadores: David Luiz, Filipe Luís, João Gomes, Thiago Maia, Everton Ribeiro, Arrascaeta, Bruno Henrique e Gabigol. Já Willian Arão tem sido titular, mas na zaga, em caráter emergencial.

Com a chegada de Pablo, pode-se-se imaginar um não proprietário exclusivo entre os que, nos lista de compromissos principais, e em condições previstas, serão titulares. Em suma, há uma base. E Matheuzinho era o dono da ala direita ate se lesionar.

Na prática, há um rodízio no gol, com Santos na Copa Libertadores e Hugo jogando o campeonato brasileiro, algo bem discutível, de fato. Nas outras dez posições existentesm titulares, ou algo próximo disso, pelo que o técnico português vem.

É evidente que há muito do imaginário com relação aos tempos históricos de 1981 e 2019. Nem tudo que se repete e as pessoas vivem dizendo os fatos. E nem mesmo o grande Zico escapa disso.

Siga Mauro Cezar no Twitter

Siga Mauro Cezar no Instagram

Siga Mauro Cezar no Facebook

Inscreva-se no Canal Mauro Cezar ou no YouTube

Leave a Reply

Your email address will not be published.