Mulher do atacante do Brusque acusa torcedor de assédio em jogo do Catarinense; O primeiro-ministro investiga o caso | de repente

Domingo não foi apenas uma festa para o Classificação de Brusque na final do Campeonato Catarinense. Bruna Maciel, esposa do atacante Fernandinho, do Quadricolor, acusou um torcedor de assédio durante a partida entre o Vale do Itajaí e o Concórdia no estádio Augusto Bauer. A denúncia foi feita por ela nas redes sociais.

Em entrevista com dar, Bruna disse que o torcedor dos Brusques tocou sua cintura e ficou assim por um tempo. Ao perceber que o ato não foi acidental, ela pediu ao homem que não a tocasse e, segundo ela, a partir daquele momento ele iniciou uma discussão.

“Ele me chamou de louca e me disse que não tinha tocado. Ele começou a gesticular com as mãos sobre o meu rosto.

Segundo Bruna, os torcedores que estavam por perto queriam brigar com o homem, mas ela interveio e disse que falaria com os seguranças do estádio.

– Fui ver dois policiais para pedir ajuda. Eles foram falar com o homem e eu os deixei sozinhos para não chamar a atenção. Enquanto isso, falei com a segurança do portão principal e de outros seguranças do estádio, mas ninguém se mexeu. Foi quando eu entrei em pânico e comecei a chorar e gritar. Pedi aos seguranças do vestiário que ligassem para o meu marido, mas eles não o avisaram”, disse ela.

Segundo Bruna, o fã também a agrediu fisicamente, mas ela só percebeu depois de conversar com os seguranças (veja a imagem abaixo).

Mulher do atacante Fernandinho exibe braço de aranha – Foto: Arquivo Pessoal

Mais tarde, Bruna postou outro vídeo nas redes sociais informando que o marido Fernandinho não voltará a jogar pelo Brusque até que o torcedor seja punido.

em contato com o darO tenente-coronel Otávio Manoel Ferreira Filho, do 18º Batalhão de Polícia Militar de Brusque, explicou que veio ver Bruna em um segundo momento, logo após o término da partida, e que ela estava muito nervosa e chorando.

– Ela me contou que, durante o jogo, um torcedor que vestia uma camisa preta do Brusques a agarrou, ela o empurrou, e os torcedores ao redor intervieram. Então ela desceu da arquibancada e foi pedir ajuda a um policial, que lhe disse que não havia nada que ele pudesse fazer. Quando eu respondi a ela, ela tinha um pequeno arranhão em um de seus braços que ela acreditava ter sido causado por este homem. Ao final da minha conversa com ela, ficou combinado que ela enviaria a imagem do homem ao primeiro-ministro a fim de identificá-lo e responsabilizá-lo por um possível crime – disse.

O clube do Vale do Itajaí comentou o assunto após a partida. Ver nota abaixo:

Brusque informa que tomou conhecimento do ocorrido com o torcedor durante o jogo desta tarde e está investigando o ocorrido. Repudiamos todos os atos de violência contra as mulheres.

Fernandinho joga pelo Brusque — Foto: Lucas Gabriel Cardoso/Brusque FC

A gendarmaria de Brusque também falou na segunda-feira. Confira abaixo:

Quanto ao fato envolvendo a esposa de um jogador do Brusque ontem durante a semifinal do Campeonato Catarinense entre Brusque e Concórdia, a Polícia Militar informa que durante conversa com o cabo PM Igor, policial que a atendeu na No intervalo, ele informou que, ao ser revistada pela mulher, ela relatou sua versão do ocorrido, onde o policial se ofereceu para registrar os fatos, mas ela disse que “só queria que eu tirasse o homem do estádio”.

Em seguida, o PM e a mulher foram até o homem, o suposto agressor, a fim de ouvir sua versão e assim definir o procedimento a ser seguido, momento em que se iniciou uma discussão entre eles, pois a mulher estava muito excitada, chegando então a tocar o policial no ombro e saindo dizendo “só quero que você desligue”, voltando para as arquibancadas cobertas.

O policial continuou a perguntar ao homem o que havia acontecido, avisando-o que, para não ser incomodado e evitar maiores transtornos, recomendaria que não voltasse à arquibancada coberta, onde está a mulher. Em nenhum momento a mulher denunciou qualquer lesão física que tivesse sofrido à polícia. O policial informou ainda que conversou com um segurança e um bombeiro não militar, pessoas que estavam nas arquibancadas cobertas e testemunhas oculares do evento e que prestaram os primeiros socorros ao contexto. Ambos relataram à polícia que houve apenas uma colisão entre a mulher e o homem no corredor das arquibancadas cobertas onde começaram a discutir, assim ocorreu a intervenção das testemunhas a fim de dirimir o possível desacordo, momento em que o mulher pediu que tirassem o homem do estádio, o contexto também não foi respeitado porque entenderam que não havia motivo para fazê-lo.

Ao final da partida, o tenente-coronel Otávio, que também estava na delegacia, foi chamado para atender a mulher, que estava em prantos, encantada e indignada com a suposta agressão sofrida e, sobretudo, por não ter sido atendida (o homem foi colocado fora do estádio), onde após se acalmar ela relatou o ocorrido, alegando ter sido agarrada pelo homem, mostrando uma foto dele em seu celular, onde o policial a orientou a fazer uma sala de cirurgia e passar a foto a este soldado com a intenção de posteriormente identificar o homem permitindo-lhe fazer valer os seus direitos.

Leave a Reply

Your email address will not be published.