F1 ainda precisa repensar a dependência do DRS

A F1 deve repensar os regulamentos para facilitar as ultrapassagens (Foto: Red Bull Content Pool)

” alt=””/>
A VERGONHA DA FÓRMULA 1 NA ARÁBIA + RED BULL X FERRARI É O JOGO DE 2022 | UC de piquetes #280

O NOVO REGULAMENTO TÉCNICO dado Fórmula 1 para 2022 causou uma revolução esportiva na categoria, de fato. A chegada de novos conceitos aerodinâmicos, a volta do efeito solo, pneus maiores, a redução do teto orçamentário… tudo foi pensado para acirrar as disputas e tornar o esporte mais emocionante e atrativo para novos e antigos fãs. Mas você pode dizer, 100%, que Ross Brawn – diretor esportivo da F1 e principal criador de tais mudanças – ele atingiu seu objetivo?

Depois de duas passagens no relato, podemos tirar algumas conclusões e pensar nas respostas. Analisemos, por enquanto, a razão central para o desenvolvimento das novas regras: as ultrapassagens. Depois dos GPs do Bahrein e da Arábia Saudita, de fato, a quantidade de ar sujo emitido por cada carro diminuiu – em grande parte graças à remodelação aerodinâmica dos carros novos, embora a faca tenha outra vantagem, porque os modelos começaram a saltar das pistas. .

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRAND PRIX no YouTube: generalista | GP2

Max Verstappen e Charles Leclerc lutam pela vitória em Jeddah (Vídeo: F1 TV)

Isso torna mais fácil perseguir o carro da frente – o que, inegavelmente, aconteceu. Milho Kevin Magnussen ‘cantou a bola’. “Não sei se é tão fácil ultrapassar. Você pode acompanhar muito melhor, mas o efeito de vácuo é menor”, disse o dinamarquês, que foi endossado por Fernando Alonso.

“A ultrapassagem ainda não é tão fácil quanto parece na TV. Todas as ultrapassagens que vimos foram devido a um carro ter dois segundos a mais de ritmo com pneus mais novos do que os outros”, disse o espanhol.

O bicampeão mundial levantou um ponto interessante: os pneus. Aros maiores e robustos de 18 polegadas prometiam reduzir o desgaste durante as disputas e estender a “janela ideal” de temperatura para os pilotos. No entanto, o que vimos até agora é o contrário: tanto no circuito de Sakhir como no Ele comedeterioração composta – como Alonso fez questão de apontar – tornou-se um problema e não uma solução.

Ferrari foi muito rápido nas curvas, fomos rápidos nas retas, mas os pneus se desgastaram rapidamente aqui”, disse o atual campeão mundial após o GP da Arábia Saudita.

“Acho que é melhor seguir os carros, só depende dos pneus. O pneu duro conseguiu acompanhar de perto, os outros compostos – e depende da pista – simplesmente se desmancharam. Então, assim que você consegue caçar algumas voltas, elas se abrem”, analisou Verstappen. Em outras palavras: o processo de superação é mais complexo, calculado. Uma indicação positiva no sentido de destacar a qualidade individual dos pilotos, que devem ser mais precisos do que nunca, mas negativa no sentido de perturbar a ordem do grid.

E ou DRS?

E já que falamos em ultrapassagem… a luta entre Verstappen e Leclerc em Ele come, aliás, mostrou a importância do DRS – e a ala móvel tem (tinha?) os dias contados com a chegada do novo regulamento técnico. É claro que o circuito de Jeddah apresenta duas zonas de ativação do mecanismo quase consecutivas, que devem ser levadas em consideração na análise. Mas a busca incansável de holandeses e monegascos pela vantagem foi notável: os dois até inverteram a direção natural de uma corrida e brigaram por uma drag – sim, uma drag – no final da segunda zona. Valeu a pena ficar atrás do adversário e entrar na reta principal, conseguindo abrir a ala.

Carlos Sainz.

Ainda uma arma muito importante, o DRS é essencial, pelo menos por enquanto, e “força a mão” da F1. Se a intenção de Ross Brawn era eventualmente se livrar do sistema de redução de arrasto, ajustes regulatórios terão que ser feitos para manter a hipótese viva. A ultrapassagem continua sendo uma tarefa difícil e, aparentemente, apenas a muleta da asa móvel pode continuar a superar essa dificuldade.

LEIA TAMBÉM
Leclerc nega o blefe Ferrari dentro Ele come: “Estávamos prontos para parar”
Ricciardo questiona perda de liderança em Jeddah, mas elogia ‘progresso’ McLaren

” alt=””/>
FÓRMULA 1 2022: TUDO SOBRE O GP DA ÁRABE SAUDITA F1 | Relatório

Acesse as versões em espanhol e Português-PT Faz GRANDE PRÊMIOalém de parceiros Nossa conferência e guiado.

Leave a Reply

Your email address will not be published.