E o Bruno Melo? Destaque no Fortaleza, lateral busca vaga no Corinthians após susto com filha | corinthians

Adversários neste domingo, às 16h, pela quarta rodada do Brasileirão, na Neo Química Arena, corinthians e Fortaleza fizeram uma negociação que surpreendeu no início da temporada.

O recruta-esquerdo de Bruno Melo, lateral de 29 anos, cordoint e Lucasestranheza inicial do Santos Pinheza, já tinha o elenco Fábio Santos para a posição. A polivalência do atleta, que também atua como zagueiro, foi apontada como a razão da chegada do “reforço operário”.

Só que Bruno Melo não foi construído embora Bruno tenha fama em âmbito nacional, ele deixou o Leão elogios de torcedores, companheiros e membros da diretoria, como o presidente Marcelo Paz. Foram 202 jogos, 29 gols e sete títulos, incluindo a Série B de 2018 e a Copa do Nordeste de 2019.

– É o maior lateral-esquerdo da história do Fortaleza – cravou Paz, na ocasião.

Bruno Melo, lateral do Corinthians — Foto: Rodrigo Coca/Ag. corinthians

Fora do jogo por razões contratuais, Bruno Melo falou com o idade nesta semana, lembramos no Leão, agradecemos pelos elogios e explicações sobre o início difícil no Timão.

No fim de janeiro, teve de se a se a filha de Isis, teve de se acompanhá-la na filha Isis, que nasceu com hérnia, uma cirurgia desenvolvida dia do fechamento do diafragma, o que preconceito o pulmonar. O procedimento fé um sucesso.

– Quando chegar, a previsão era que minha filha nascesse entre janeiro e fevereiro. E nós já sabíamos que ela teria que fazer uma cirurgia de risco. Vim na frente, me apresentoui, e no jogo contra o Santo André (1 a 0), ela nasceu e de fazer a cirurgia. O corinthians free me e fiquei ausente de vários jogos. Graças a Deus, ela está bem, está aqui comigo, chegou quarta-feira a São Paulo.

– Era um risco. Só de falar em cirurgia já me deixa com medo (risos). Foram dias, mas graças a Deus ela já está bem e agora está comigo aqui – disse ele, casado com Ana Clara.

Bruno Melo, do Corinthians, com a filha Isis — Foto: Arquivo pessoal

Com contrato em dezembro, Bruno Melo concorreu com Fábio Santos, que tem sido titular na Libertadores, e Lucas Piton, que tem atuado nas partidas do Brasileirão. Titular contra a Portuguesa-RJ na Copa do Brasil, ele que seu momento ainda poderá chegar.

– Estou disputando vaga com Fábio e Piton, caras extremamente do bem. O Fábio é uma referência para o grupo. Eu procuro buscar meu espaço no dia a dia, nos jogos quando entro. Estou a disposição do treinador. Na oportunidade em que eu ia jogar, eu machuquei, que foi contra a Ponte Preta (5 a 0, no Paulistão), e aí o Piton entrou. O Fábio jogou muito contra o Boca. O futebol é assim. O professor deu sequência com o Piton, e agora é esperar uma nova oportunidade para quando aparecer eu estar bem.

Com quase 30 gols pelo Fortaleza, ele não vê a hora de deixar sua marca pelo corinthians:

– No Fortaleza, fiz vários gols. Na Série C, fugiu o artilheiro do tempo em 2017, na Série B (em 2018) só perdi para o Gustagol, que foi o artilheiro do Brasil. Quando vou para a área, porque uma bola me adquiriu (risos). Estou muito esperançoso para fazer o primeiro de muitos camisa do corinthians.

Veja mais trechos da conversa com Bruno Melo:

ge: Como os elogios do presidente Marcelo Paz foram recebidos em sua saída do Fortaleza?

– Fiquei muito feliz, é um cara que admiro muito, que chamo de pai. Um cara que sempre esteve do meu lado, que acompanhou a minha história que teve a base. E que semper me falou para eu não chegar, pois a oportunidade eu ia agarrar.

Qual fé o momento mas difícil em anos sérios de Fortaleza?

– Os momentos, nasceu? (risos). Presencie oito anos de Series Cei dos jogos. A gente chega ao mundo mata-mata e batia na trave, então o outro dia na sede mundo triste, sem esperança. Eu brincava que o Fortaleza só ia sofrer quando veio correr mesmo e fé coisa do destino. No ano em que me firmi (em 2017), a gente sofri.

Bruno Melo fez mais de 200 jogos pelo Fortaleza — Foto: Felipe Cruz / Fortaleza EC

E depois de anos vitoriosos no Fortaleza, vem a chance no corinthians

– Eu estava na minha cidade quando meu empresário me ligou. Ele brincou: “E aí, já fez as malas?” Ele só tinha aqui que estava negociando com um tempo grande, eu estava pensando em me apresentar em Fortaleza. Quando ele falou fazer corinthians, não acredito. Contei para acreditar a minha mãe e ela não você. Fiquei sem acreditar também, só caiu a ficha quando cheguei mesmo ao clube.

E antes de vir você falou com alguém que viveu o corinthians?

– Quando o Gustagol ficou sabendo, me mandou mensagem. Falou que a estrutura era boa, e é realmente sacanagem, nascido? Coisa de primeiro mundo. Falou que não tinha, que era só se entregar para segredo nas graças da torcida. Ele me passou algumas dicas.

E o que achou da atmosfera do jogo contra o Boca Juniors na Arena?

– A torcida do corinthians é diferenciado, de arrepiar. Não desmerecendo a do Fortaleza, mas aqui eles são loucos mesmo, o nome diz tudo (risos). Sobre o jogo, a vitória interessava, a gente vinha de o Palmeiras, foi derrotado, dia seguinte, muito difícil. Mas nossos preparativos vão bem jogar e sair com os três pontos.

Bruno Melo na chegada ao Corinthians — Foto: Bruno Cassucci

Como você vê o estágio da equipe na temporada neste período com Vítor Pereira?

– O Vítor gosta de uma linha mais alta, eo treinador chega já pegando um tempo com a temporada, fica difícil. Mas estamos pegando o jeito de jogar dele, pegando o que ele quer. A gente vê nos jogos, cada jogo o tempo tem uma crescente. Contra o Boca, crescemos muito em vasade e tudo. Temos muito a melhorar, mas não decorrer da temporada ficaremos como ele quer.

O ge corinthians podcast está disponível nas seguintes plataformas:

+ Assistir: sóbrio tudo o corinthians na Globo, sportv e ge

Leave a Reply

Your email address will not be published.