Duilio se diz indignado com as ameaças recebidas e critica LANCE! no caso de influenciador

o presidente de Corinthians, Duilio Monteiro Alves, disse em comunicado em resposta ao LANÇA!enviado na noite deste sábado (9), que se indigna com os episódios envolvendo as mensagens de ódio enviadas pelo influenciador digital Kelvin Thiago, conhecido como “Mil Grau”, e a atuação do LANÇA! Em nenhum caso

O presidente do Corinthians disse que não encaminhou as mensagens recebidas para José Luís Datena, como apontou o influenciador nas redes sociais. Em um trecho de uma reportagem que foi ao ar no programa da Band do repórter, o influenciador aparece dizendo que “infernizaria a vida” se a “casa não estivesse arrumada”. Em seguida, o próprio Mil Grau disse que as ameaças eram dirigidas ao presidente do clube – não ao goleiro Cássio.

Duilio elogiou o trabalho da polícia civil para identificar rapidamente os autores das demais ameaças dirigidas aos jogadores Cássio, Gil e Willian.

– Estou indignado com a sucessão de episódios que vivi esta semana, como empresário e como pessoa. Esta semana, mensagens de ódio foram enviadas a atletas, membros do Conselho de Futebol e a mim, com um conhecido influenciador dizendo que ia fazer da minha vida um “inferno”. Movido pela minha indignação e pelo meu dever de presidente do Corinthians, ordenei que a apuração de todas as ameaças fosse entregue à Polícia Civil, que em louvável trabalho identificou e prendeu os autores – lê parte da resposta (ver texto completo no final deste artigo).

O presidente do Corinthians também criticou a atuação do LANÇA! em caso. Ele disse que não foi abordado para dar seu lado da história e que o veículo inverteu os papéis entre vítima e acusado. Por fim, ele avaliou que a postura admitida do influenciador foi minimizada em uma reportagem que discutiu o episódio.

– Veículos que replicaram o artigo do jornal Lance! virou a mesa, transformando um suspeito em vítima e a vítima – neste caso, eu, Duilio Monteiro Alves – em acusado. Segundo a influenciadora, as mensagens de ódio eram para mim, não para os atletas; por isso, usaria jornalistas, como José Luís Datena, para o implicar numa falsa acusação. Nada mais mentindo. Se tivesse sido questionado pela imprensa, especificaria: não repassei as mensagens odiosas que me foram dirigidas a nenhum jornalista, e não sou responsável pela confusão causada pela imprensa – diz outro trecho da resposta assinada por Duílio .

Kelvin Thiago, ou

Kelvin Thiago, o ‘Mil Grau’, é influencer do Corinthians (Foto: Reprodução/Instagram)

ENTENDENDO O CASO
O clima no Corinthians esquentou após a derrota para o Always Ready, na estreia na Libertadores. Na manhã desta quinta-feira, um grupo de torcedores do clube organizado foi autorizado a entrar no CT Joaquim Grava, onde a equipe treinava.

Poucas horas depois, foram reveladas mensagens de ódio espalhadas pelas redes sociais e direcionadas ao goleiro Cássio e sua família. Um perfil no Instagram, identificado como “$heik Caçador”, enviou fotos de armas e balas em uma camisa do Corinthians, além de ameaças em áudio ao personal trainer da esposa de Cássio, ameaçando o casal e o zagueiro Gil.

Rapidamente, o Corinthians divulgou um memorando e informou que levaria o caso à Polícia Civil. No dia seguinte, seis das sete pessoas envolvidas no envio dos protestos de ódio foram identificadas. O acusado responderá pelo crime de ameaça.

CONFIRA O ANÚNCIO DE RESPOSTA DO LEILÃO!, DE DUÍLIO MONTEIRO ALVES, NA COMPLETA

Como presidente do Corinthians, estou indignado com a sucessão de episódios que vivi esta semana, como dirigente e como pessoa.

Esta semana, mensagens de ódio foram enviadas a atletas, membros do Conselho de Futebol e a mim, com um conhecido influenciador dizendo que ia fazer da minha vida um “inferno”.

Movido pela minha indignação e pelo meu dever de presidente do Corinthians, ordenei o recolhimento de todas as ameaças para que fossem entregues à Polícia Civil que, em louvável trabalho, identificou e prendeu os autores.

O que se seguiu, no entanto, foi a violência das notícias falsas. Setores irresponsáveis ​​da imprensa reproduziram as declarações do citado influenciador, que em suas redes sociais me acusou de forma caluniosa, ao mesmo tempo em que minimizou o fato de ele mesmo ADMITIR ter me enviado mensagens de ódio.

Veículos que replicaram o Lance! virou a mesa, transformando um suspeito em vítima e a vítima – neste caso, eu, Duilio Monteiro Alves – em acusado. Segundo a influenciadora, as mensagens de ódio eram para mim, não para os atletas; por isso, usaria jornalistas, como José Luís Datena, para o implicar numa falsa acusação. Nada mais mentindo.

Se eu tivesse sido questionado pela imprensa, especificaria: não enviei mensagens de ódio dirigidas a mim a nenhum jornalista, e não sou responsável pela confusão causada pela imprensa. O que fiz foi denunciar à polícia civil o que considero crime de assédio virtual, caracterizado na legislação brasileira desde o ano passado. No entanto, nem Lance! os veículos que reproduziram seu artigo também não me solicitaram opinar sobre a acusação de informação falsa. Preferiam dar voz às acusações frívolas dos réus e transmiti-las em suas embalagens comerciais.

É jornalismo? Eu sinceramente espero que não. Porque não há mais como tolerar as calúnias, difamações e irresponsabilidades que contribuem para manchar reputações e incitar mais violência no futebol brasileiro. A imprensa da era digital e os influenciadores das redes sociais precisam estar cientes dos danos que causam ao vender indignação a todo custo. O futebol deve deixar de ser um lugar de ódio, e o Corinthians vai se comprometer com essa causa. Resta saber de que lado estarão os comunicadores.

Cordialmente,
Duílio Monteiro Alves
Presidente do Clube Esportivo Corinthians Paulista.

Leave a Reply

Your email address will not be published.