Diego Costa, do São Paulo, curte ótimas críticas e críticas no espaço | são paulo

Discriminação e confiança. As duas palavras se tornaram um mantra para o zagueiro Diego Costa, do São Pauloenfrentar as adversidades de um jogador que sai das categorias de base e se dépara com a realidade dos profisionais de um grande clube.

A rápida ascensão na equipe principal do São Paulo teve pró e contras. Ao mesmo tempo que a condição de titular em 2020 trouxe a realização de um sonho de criança, ela mostrou que as críticas podem aparecer da noite para o dia.

Depois de “colocar J no bolso”, em um clássico Diego ano, Costa não manteve o nível nos jogos seguintes e voltou para o banco de reservas. Da torcida, ouvia criticas e ate alguns pedidos para deixar o clube. Nada disso o abalou.

– Viver owe lados me criou uma maturidade grande e hoje eu sei que todo jogo é difícil, eu tenho que mostrar. Em todo campeonato temos que entrar para ganhar, acho que isso é vestir a camisa do São Paulo. Este momento difícil é útil para aprender e usar um favorito. Treinei mais, me alimentei melhor, procurei olhar mais partidas, ver meus jogos depois de todas as partidas. Isso me fez criar uma maturidade. Saber tem responsabilidade que é estar a camisa do São Paulo – afirmou o zagueiro em entrevista ao ge.

– Usei esse momento para crescer como atleta, como humano e saber que quando tivesse um momento de novo para eu dar mais valor e acho que isso fez toda diferença para a minha volta – acrescentou.

Diego Costa, zagueiro do São Paulo, renovou contrato até o fim de 2024 — Foto: Rubens Chiri/Saopaulofc.net

Com Rogério Ceni, Diego Costa é titular absoluto. Ele é o zagueiro que mais participou nesta temporada e cada vez mais ganha confiança do treinador. boa fase culminou no contrato de seu contrato2024.

– Na chegada de Rogério, na pré-temporada, eu procurei mostrar para ele o que eu estava trabalhando, o quanto eu estava dedicado e quanto eu queria um vaga de titular. Eu sei que a concorrência é muito alta e sadia. Tem o Arboled é zagueiro da seleção, Miranda que já o serviu a eles, ever estou observanto, ever escutando o que eles falam – comentou.

– Está sendo um momento muito especial, estou trabalhando muito para corresponder às expectativas do clube. Acho que estou encarando com muito trabalho, seriedade. Tenho uma grande responsabilidade, procure trabalhar bastante para sempre atender às expectativas do que o clube espera de mim.

São Paulo anunciando a do Diego Costa

Muito desse momento se deve ao fato de Diego Costa ter uma boa saída de bola com os pés. O seu estilo agrada ao técnico Rogério Ceni, que decidiu colocar o ídolo Miranda no banco de reservas para dar chance ao garoto de apenas 22 anos.

Quando atuava no sub-20 do São PauloDiego Costa adquiriu uma habilidade para construir jogadas, algo que tem se destacado agora nos profissionais.

– Sempre trabalho bastante passa, procure estudar bastante o jogo para sempre dar essa opção para o treinador. Não é ser só o zagueiro que marca. Não. Sou o zagueiro que marca, que joga, zagueiro que é bom de cabeça, um zagueiro muito rápido. Então usar isso a meu favor –tento o jogador.

Discreto e “sem risadinha”

Apesar dos 22 anos, Diego Costa faz o estilo do zagueiro sério e sem risada à toa. É a que acompanha o jogador nascido em Mato Grosso do Sul desde que ele começou a dar os primeiros cai na bola.

O jeito de campo é um reflexo do que ele é fora dele. A “cara família” como o nome é, Diego Costa é discreto e não faz muito alarde em redes sociais. Também não gosta tanto de sair. Isso o ajuda a ter o foco no futebol.

– Se eu não estou treinando, trabalhando, eu estou em casa, com meus familiares, com meu irmão. Até meu irmão brinca às vezes e fala que eu tenho que me entreter mais. Porque às vezes eu chego em casa e quero assistir a jogos. Peço para ele colocar lances do meu jogo e ele fala: “Mano, descansar um pouco, amanhã você vê”. Então sou uma cara família, procure estar com meus amigos próximos, sou bem reservado com amizade e redes sociais. Esse é o Diego.

Gol de Diego Costa em São Paulo x Manaus — Foto: Marcos Ribolli

Uma única extravagância de Diego Costa está nas tatuagens, que deve conter seu corpo. Elas, no entanto, têm um significado especial, como frases, dados importantes e até mesmo um número que marcou sua vida e carreira.

– O número 25 (tatuado no braço direito) é o minuto do meu primeiro gol pelo São Paulo – contorno o zagueiro, que marcou pelos profissionais no duelo contra o River Plate, pela Libertadores de 2020.

Sem medo de cobrar os mais velhos dentro de campo, Diego Costa vai se tornar um dos líderes do elenco mesmo com pouca idade. Faith assim em toda sua voyageória nas categorias de base.

Diego Costa, do São Paulo, tem tatuagem com número 25 — Foto: Reprodução

Nesta quinta-feira, às 19h30 (de Brasília), diante do Juventude, o zagueiro deve estar em campo para tentar colocar o São Paulo Nas oitavas de final da Copa do Brasil e cravar ainda mais seu nome no time titular e na história do clube.

– Meu maior crítico sou eu, para sempre estar à altura para poder jogar, para poder estar demonstrando para quem está de fora que eu mereço sim estar jogando de titular, que mereço sim ter as oportunidades que estou tendo – finalizou.

O podcast ge São Paulo está disponível nas seguintes plataformas:

+ Assistir: sóbrio tudo o São Paulo no ge, na Globo e no sportv

— Foto: ge.globo

Leave a Reply

Your email address will not be published.