Daniel Cormier foi nomeado para “Ala Moderna” do Hall da Fama do UFC | lutar

Ex-campeão meio-pesado (até 93kg) e peso-pesado (até 120kg) do UFC, Daniel Cormier será incluído na “Ala Moderna” do Hall da Fama do UFC como integrante da turma de 2022, ano que vem durante o UFC 274, realizado no último sábado. A cerimônia de indução ao Hall da Fama de 2022 será realizada no dia 30 de junho, na T-Mobile Arena, em Las Vegas.

Cormier, 43 anos, membro como novo da Ala Moderna, uniu forças com Forrest Griffin (2013), BJ Penn (2015), Urijah Faber (2017), Ronda Rousey (2018), Michael Bisping (2019), Rashad Evans. (2019), Georges St-Pierre (2020) e Khabib Nurmagomedov (2022). A “Modern Era” inclui atletas que se profissionalizaram após 17 de novembro de 2000, data do primeiro evento do UFC sob as regras unificadas do MMA, e têm pelo menos 35 anos de idade ou estão aposentados ha pelo menos um ano.

Daniel Cormier Halla da Fama do UFC — Foto: UFC

Daniel Cormier é um dos melhores concorrentes de todos os tempos. DC encarou as melhores atletas do mundo no wrestling e no MMA. Ele também é profissional ao mais alto nível. Como atleta na atividade, sempre teve tempo para a imprensa, o que levou a tornar um dos melhores comentaristas em todos os esportes. DC é um dos maiores embaixadores que o UFC já teve, e uma honra inclui-lo no Hall da Fama do UFC – disse o presidente do UFC Dana White em comunicado enviado à imprensa.

Com 26 lutas em 11 anos de carreira no MMA profissional, Daniel Cormier fechou a carreira com um cartel que inclui 22 derrotas, três derrotas e uma luta sem resultado. Seu premieriro grande título veio no Grand Prix dos dois jogadores do Strikeforce, onde venceu Antônio Pezão na semifinal e depois bateu Josh Barnett na decisão, em 2012. No ano seguinte, estreou no UFC com vitória contra Frank Mir. Quatro lutas depois, em 2015, Cormier já lutava com Jon Jones pelo cinturão meio-pesado, mas perdeu na decisão.

Após conhecer sua primeira derrota no MMA, espera-se que Cormier incorra contra o TUF Ryan Bader. No entanto, Jon Jones preso e seu cinturão cassado. Com título vago, o UFC colocou Cormier numa luta valendo o contra Anthony Johnson em 23 de maio de 2015, no UFC 187, e aplicou um mata-leão no terceiro round. Cormier ainda defende o cinturão três vezes – contra Alexander Gustafsson, Anderson Silva e de novo com Anthony Johnson -, o novo encontro com Jon Jones. Cormier fé não deu certo, mas Jon Jones não resistiu em exame antidoping e título fé dado de volta a ele.

Daniel Cormier ainda defenderia o título meio-pesado mais uma vez, contra Volkan Oezdemir, mas logo de pois sofreu ao peso-pesado e nocauteou Stipe Miocic, chegando ao título numa segunda categoria. DC venceria ainda Derrick Lewis, mas deu a vingança tem Miocic e fé nocauteado. E para fechar a trilogia, perdido de novo para o rival em agosto de 2020, para logo depois decretar sua aposentadoria.

Confira alguns dados do currículo de Daniel Cormier:

  1. Um entre apenas quatro campeões simultâneos de duas divisões na história do UFC (peso meio-pesado e peso-pesado)
  2. Mas golpes significativos ligados na cabeça em uma luta de pesos-pesados ​​UFC (UFC 241, na fight against Miocic) – 162
  3. Mas golpes significativos ligados em uma luta de pesos-pesados ​​​​no UFC (UFC 241, na luta contra Miocic) – 181
  4. Segundo maior número de golpes grupos conectados na cabeça em uma luta de meios-pesados ​​no UFC (UFC 192, na luta contra Gustafsson) – 111
  5. Terceiro maior número de vitórias em lutas valendo o cinturão dos meio-pesados ​​​​do UFC na história – 4
  6. Terceiro maior índice de acerto de golpes na história dos pesos-pesados ​​​​no UFC – 61,6%
  7. Terceiro maior número de golpes-pesados ​​conectados em uma luta de meios no UFC (UFC 192, na luta contra Gustafsson) – 140
  8. Terceiro maior número de golpes no clinch conectado em uma luta de meio-pesados ​​no UFC (UFC 192, na luta contra Gustafsson) – 48
  9. 10º maior número de vitórias nas disputas de título no UFC – 6

Leave a Reply

Your email address will not be published.