Com escalação alternativa, Japão goleia Paraguai em Sapporo | Futebol no Japão

“Quero usar o maior número de jogadores que puder e também testar formações”, foi o que disse Hajime Moriyasu antes do amigo de hoje contra o Paraguai, disputado no Sapporo Dome, em Hokkaido. Depois de passar pelo sufoco das Eliminatórias, é hora de mudar do “modo Ásia” para o “modo mundo”. A sequência de quatro amistosos neste mês servirá para definir como o Japão jogará na Copa do Mundo. Sem a possibilidade de enfrentar os bastidores Europeus, foi uma vitória de bastidores marcando jogos contra Paraguai, Brasil, Gana e Chile/Tunísia. É que, olhando por um lado, por um lado claro, o comentarista como Sergio Ego, que o faria contra a seleção para eles não jogaram para muita coisa, pois pode ser exemplo mais – se aproveitou de reconhecer do avião. e facilmente foram envolvidos por uma seleção japonesa que estava com uma escalação alternativa, com os jogadores que não são normalmente titulares. Pelo volume de chances criadas, poderia ter sido muito mas que oo placar final de 4 a 1.

Brasil e Japão se enfrentará na próxima segunda-feira, às 7h20 (de Brasília), com transmissão do SporTV, TV Globo e ge.

Moriyasu bate o 4-3-3 que usou na maior parte da final reta das eliminatórias. Mas se na Ásia ele estava sendo bem cauteloso, jogando com um trio de jogadores – Wataru Endo, Ao Tanaka e Hidemasa Morita -, hoje ele apenas uma escalação mais agressivamente volante, com Endo como volante de fato e os mais criativos Genki Haraguchi e Daichi Kamada completando o trio no meio. O tridente ofensivo também tinha novidades. Ritsu Doan, que teve a intenção de manter o bom disciplinar e diziam que poderia ate fora das convocações, ganhou uma chance na ponta direita e era o mais disposto a mostrar serviço. Claro ganha pontos com o professor hoje. Na esquerda, Kaoru Mitoma teve mais uma atuação promissora, com dribles, arrancadas e um gol. Sem dúvidas ele pode tornar o diferencial desse tempo, assim como Shoya Nakajima era no início do ciclo.

A grande questão é: quem deve ser o centroavante? O titular ate agora, Yuya Osako, vem sofrendo com problemas físicos e não foi convocado. Ayase Ueda, atual artilheiro da J.League pelo Kashima Antlers, tem o estilo mais próximo dele. Pode fazer o pivô e sabe se posicionar para se demarcar dentro da área. Kyogo Furuhashi tem mais movimentação e velocidade e é o tipo ideal para jogar no contra-ataque. Eles são os principais candidatos, mas estão a poucos minutos de Furuhashi e de Ueda. Takuma Asano é quem foi testado na posição. Ele não joga como centroavante há muito tempo, mas era sua função no início da carreira no Sanfrecce Hiroshima e sua velocidade foi uma arma mortal contra o Paraguai. Daizen Maeda, outro velocista nato, também ganhou sua chance nos 45 minutos finais e sua capacidade de pressão na linha de frente foi bastante útil, embora não tenha sido tão bem nas finalizações. Por enquanto, Asano é quem está na frente na disputa.

Testado como centroavante, Asano correspondeu e fez um dos gols da goleada sobre o Paraguai — Foto: Koki Nagahama / Gekisaka

A defesa teve como titular apenas o capitão Mayshida, que só jogou os primeiros 45 minutos. Hiroki Ito, uma das revelações do Campeonato Alemão pelo Stuttgart, estreou pela seleção. Daniel Schmidt ganhou uma rara chance no gol e os J. Leaguers Miki Yamane e Shogo Taniguchi cobriram as ausências dos lesionados Hiroki Sakai e Takehiro Tomiyasu (o jogador do Arsenal Faith convocado, mas ainda não se recuperou e não ficou no banco). O Gol do Paraguai na partida não acendeu uma luz de alerta para o único erro da saída de bola, e para Taniguchi, que foi derrotado pelo gol, Derlis Gonzál, o autor não foi geral a defesa, mas quase foi verificado. O teste de verdade será contra o Brasil, e aí Moriyasu deve escalar o que tiver de melhor à disposição.

O Paraguai, que ficou em oitavo nas Eliminatórias e não vai para a Copa do Catar, é uma das poucas seleções da América do Sul (junto com o Japão e a Bolívia) que leva vantagem na história dos confrontos. A última derrota para eles (sem tempo normal) fé na Copa América de 1999.

Escalações e formações iniciais: Japão jogou no 4-3-3 com apenas Endo e Yoshida entre os usuais titulares — Foto: Futebol no Japão

Amistoso – Japão 4×1 Paraguai
Sapporo Dome – Público: 24.511
Gols: Takuma Asano (36′), Daichi Kamada (42′), Derlis González (59′), Kaoru Mitoma (60′), Ao Tanaka (85′)

Trabalhos próximos:
06/06 – 7h20 – Japão x Brasil (Kokuritsu, Tóquio) – Amistoso
06/10 – 6h50 – Japão x Gana (Estádio Noevir, Kobe) – Copa Kirin
14/06 – 6h50 – Japão x Chile ou Tunísia (Panasonic Stadium Suita, Osaka) – Copa Kirin

Notas:
Daniel Schmidt – 6.0 –
Titular pela primeira vez desde o amistoso com o México em novembro de 2020. Fez duas boas defesas no primeiro tempo e depois não foi necessária mais. Sem culpa no lance do gol.
Miki Yamane – 6.0 – Como o único lateral ofensivo da escalação, bastante conhecido pelo ataque, mas na melhor tabela que fez, depois de uma vez Asano, chutou fraquinho. Também pode ser marcado no rebote do pênalti de Doan, mas isolado. Na defesa, não teve problemas.
Shogo Taniguchi – 5,5 – Ganhou todas pelo alto. Ficou como capitão no segundo tempo após a saída de Yoshida. Foi facilmente driblado no lance do gol paraguaio.
Maya Yoshida – 6.0 – O capitão jogou apenas o primeiro tempo e quase não foi exigido.
Hiroki Ito – 5,5 – O estreante do dia esquerdo jogou o primeiro tempo na lateral e o segundo na zaga. Quase marcou de cabeça em escanteio. Foi de um passe errado dele que começou o gol do Paraguai.
Wataru Endo – 6,5 – Sólido e preciso, como sempre, nos 45 minutos que ficou em campo. Era o único meio-campista defensivo da escalação e estava sempre atento na cobertura.
Genki Haraguchi – 7.0 – Há muito tempo ele não fazia um grande jogo pela seleção, mas fez valer a boa clube e aproveitou a chance que teve. Perfeito nos passes, com duas belas assistências para os gols de Asano e Mitoma.
Daichi Kamada – 7.5 (Melhor em campo) – Já faz tempo que ele merecia essa chance. Não poderia ter aproveitado melhor. Logo no início, acertou uma bola na trave, depois de cabeça o segundo gol japonês. No segundo tempo, quase um pênalti mudou, ajeitou a bola para o gol de Tanaka e fez um golaço em jogada individual. Sua no meio-campo começou tímida, mas logo a participação à vosade ditando o ritmo do jogo. O único do meio para a frente que jogou aos 90 minutos.
Ritsu Doan – 6.5 – O melhor campo no tempo, estava “on fire”, aparecendo em todas as jogadas, dando toque de primeiro salto, passa de primeira que desmontava a defesa, tentando dribles, falls… Fez o cruzamento para o gol de Kamada e poderia sair como hero da noite se não tivesse o segundo tempo o pênalti tempo. Substituído logo depois da cobrança, mas ainda ficou com saldo positivo.
Takuma Asano – 7.0 – Quem diria, o mais contestado dos atacantes foi o que resolu. Normalmente o “Japão” atua, mas hoje Moriyas funcionou pontagua testá-lo como centroante. E ele correspondente. Le perigo na frente com sua velocidade e calma na hora de fechar por cima do goleiro placar.
Kaoru Mitoma – 7.0 – Herói da classificação nas Eliminatórias, deu muito trabalho com suas arrancadas e dribles. Foi apenas a quarta partida da carreira pela seleção principal, com seu terceiro golo marcado. Tem talento para tornar o diferencial do tempo e escalação de um lateral defensivo na esquerda é sinal de que o treinador quer explorar ao máximo sua capacidade ofensiva.
Yuta Nakayama – 6.0 – Principal candidato a assumir lateral esquerda, jogou os 45 minutos finais e não se saiu mal. Tirando um passe errado na defesa, foi seguro e rápido nos passes para iniciar as jogadas e acionar a ponta.
Ko Itakura – 6.0 – Jogou o segundo tempo como volante na vaga de Endo, mas ainda não está no mesmo nível do colega. Apareceu bem em algumas lanças, mas quase marcou contra ao fazer um desarme dentro da área.
Daizen Maeda – 6.0 – Principal velocista do elenco, substitua Asano no intervalo e logo de cara mostrado como suas corridas podem ser úteis para fazer uma pressão na saída de bola. Mas ele não deu sorte nas finalizações, pois um pouquinho para alcançar os semper cruzamentos. E ainda pegou um rebote com o gol vazio e mandou por cima. Pelo positivo, fé de uma roubada de bola dele na frente que saiu o quarto gol japonês.
Ao Tanaka – 6,5 – Apesar de ser mais defensivo do que Haraguchi, manteve uma postura ofensiva da equipa e finalizou no segundo minuto em campo. Cometeu um erro na saída de bola que quase custou caro, mas apareceu na frente para fazer o quarto gol em um chute de fora da área.
Takefusa Kubo – 6.0 – Jogou 20 minutos na vaga de Doan, com participação discreta.
Kyogo Furuhashi – Sem nota – Foi o último a sair do banco e pouco apareceu. Espera-se que ganhe mais minutos contra o Brasil.
Hajime Moriyasu – 6,5 – Fez muitos testes, como queria, escalou vários jogadores que a torcida e a imprensa vinham pedindo e goleou um adversário sul-americano usando uma escalação alternativa. Depois de passar como Eliminatórias jogando no modo cauteloso, o tempo mostrou que também pode render bem com uma escalação e postura mais agressivas.
(Peso das notas: 5.0 – Péssimo; 5.5 – Ruim; 6.0 – Razoável; 6.5 – Bom; 7.0 – Muito bom)

Leave a Reply

Your email address will not be published.