Bastidores têm suspeita na ‘Red Bull verde’

O GP da Espanha ficou pela estreia de novidades na maioria dos carros, com resultados melhores para alguns, como a Mercedes, e não tão positivos para outros, como a Aston Martin, que começou o fim de semana no centro das atenções. O tempo, aquele mesmo que era chamado de Mercedes rosa na época que era a Racing Point, estreou um pacote de atualizações que fez seu carro ser apelidado de Red Bull verde, devido à semelhança especialmente das laterais com o desenho de Adrian Newey.

A FIA logo correu para divulgar um comunicado dizendo que checou o processo da Aston Martin e não procurou nada que fira o regulamento antes, lembrando que todas as equipes são desenhos por regulamento a mostrarem seus à entidade de levar novidades à pista. O comunicado visava apagar um pequeno incêndio que já estava sendo feito com Christian Horner questionando se houve download de propriedade intelectual, em uma briga que se iniciou há meses.

No contrato da Aston Martin ou chefe de aerodinâmica da Red Bull, Dan Fallows, para ser seu diretor técnico, ano passado. Depois de começar a ser projetado no Red Bull sua transferência, fazendo com que o contrato de cumprimento final, em 2023. As duas equipes entraram em acordo e permitimos a trabalhar na Aston Martin em abril deste ano. Fallow foi sozinho: outros engenheiros não trocaram a Red Bull pelaton Martin Durante o ano passado.

Após a defesa, a Aston Martin argumentou que o projeto do carro não estava em túnel de vento em novembro de outra passagem, então não se trata de uma cópia e sim de uma solução que foi projetada na fábrica em Silverstone.

Mas ela teria sido pensado aí? Como equipes de Fórmula 1 Têm proteções em seus sistemas para saber como e quando eles foram acessados, algo a que a FIA também tem acesso (é por esses sistemas, por exemplo, que eles policiam se ace equipes estão respeitando seus limites de tempo de envolvimento). Horner diz ouvir que não dá para tirar as cabeças de nenhum engenheiro, mas queria uma investigação interna para saber se dados não foram retiradas amplas de um tempo para o outro, levadas pelos engenheiros que ‘mudaram de lado’.

Norris sofreu na Espanha

Outra equipe que levou várias novidades para a Espanha a fé na McLaren. O tempo não teve um salto de performance já neste primeiro GP, mas acredita que ainda precisa compreender o comportamento do carro com as novidades para extrair mais rendimento. O diretor técnico, no entanto, no entanto, para o tempo que seu tempo tenha tirado os fluidos do carro de Daniel Ricciardo fazer com que o monoposto perdesse peso, um de quase todas as equipes neste início de nova era da peso. “Nunca fez isso”, disse ele, contrariando inclusive o que seu piloto disse depois do GP de Miami.

Mas quem sofreu mesmo em Barcelona fé Lando Norris, com amigdalite. O piloto teve de ser checado pelo médico da equipe depois da classificação e também da corrida, inclusive ficando de fora das entrevistas depois-prova. Mesmo não se sentindo bem, Norris fez uma ótima corrida e terminou na oitava colocação.

Hamilton - Mercedes/Divulgação - Mercedes/Divulgação

Lewis Hamilton dá entrevista depois do GP da Espanha

Imagem: Mercedes/Divulgação

Dupla da Mercedes não esconde u empolgação

A Mercedes não mudou seu carro tanto quanto Aston Martin e McLaren, mas mexeu na peça fundamental para tentar resolver seu problema de porpoising, movimento que faz com que o piso de madeira do carro bata no chão. As mudanças surtiram o efeito e Lewis Hamilton saiu contente do carro comeu mesmo na sexta-feira, algo raro.

Antes da corrida, já tinha gente na confiante Mercedes em um pódio. Mas a Ferrari espera era lucrar com o excesso de dégaste de pneus do carro da, o que na verdade acabou não se confirmando, pelo menos com Leclerc. O tempo não pode ser possível andar no ritmo das Red Bull e, embora a verdade que Verstappen teve um problema no DRS e Perez pela maior parte do tempo com outra estratégia, isso não é o que a Mercedes encontrou para fazer seu conceito diferente funciona com as mudanças tão boas que não são muito estáveis ​​na Espanha, e está confiante, ate porque comparando com os dados da pré-temporada, com uma pista mais fria, que trata-se de algo real.

Eles ainda estão prontos para brigar por vitórias, já que a desvantagem era de mais de 1s por volta nas últimas corridas, mas George Russell e Hamilton não aliviados. “Nós viramos a página, e agora é o momento em que a temporada começa”, Russell, terceiro implantado com problemas de superaquecimento, que também é nosso companheiro no final.

Bottas: “Estou fazendo o bem com a minha bunda”

O humor de Hamilton mudou tanto que ele ate brincou quando foi perguntado se participaria de uma ação de seu ex-companheiro de time, Valtteri Bottas.

O finlandês estava às gargalhadas falando para os jornalistas sobre o sucesso da foto em que aparece nu nadando em um riacho. O movimento social foi tão grande para arrecadar cópias da foto grande para o dinheiro. “Eu compraria sim, acho que é uma das melhores fotos que eu vi”, riu Hamilton, enquanto Bottas comemorava ter vendido mais de 5 mil cópias em poucos dias e arrecadado 50 mil euros (quase 260 mil reais). “Estou fazendo bem com a minha bunda!”, ria o finlandês.

Fora do paddock, a Fórmula 1 celebrou outro final de semana de grande sucesso de público, mesmo tempo de toda a badalação de Miami. O GP da Espanha não tinha tanta gente nas arquibancadas ainda na sexta-feira desde os bons anos de Fernando Alonso na Ferrari, abrindo o que promete ser uma temporada europeia de sucesso de uma categoria que vive um momento de lua de mel com o público. No Circuito da Lua, foram 300 mil a 300 mil provas e em algumas provas do verão, como o GP da Grã-Bretanha, são provas de cerca de 40 mil europeus.

Leave a Reply

Your email address will not be published.