Análise: Palmeiras faz história e Navarro tem atuação dos sonhos em meio a 9 demandas | Palmeiras

O resultado no Allianz Parque permitiu ao Verdão bater uma longa lista de recordes. Convocado com reservas e sem Abel Ferreira, suspenso, o atual bicampeão da Libertadores começou o encontro com medo: após o pivô do ex-Palmeira Cristaldo, José Correa abriu o placar de forma surpreendente.

Gol de Rafael Navarro no Palmeiras x Independiente Petrolero — Foto: Marcos Ribolli

Sem Raphael Veiga, poupado, e Gustavo Scarpa de fora por lesão na coxa, o Verdão jogou em 4-2-4, com Gabriel Veron dentro, aproximando-se de Zé Rafael e Atuesta para criar jogadas. Wesley e Breno Lopes eram os alas, tendo Navarro como referência.

Com esse formato, o Verdão teve 70% de posse de bola, mas teve dificuldades para criar chances claras diante de uma linha de cinco zagueiros antes bem postados pelo Independiente Petrolero. A partir do momento em que Veron trocou de papel com Breno e passou para a lateral direita, o Verdão se tornou mais perigoso e foi para o intervalo com o empate, após gol de Zé Rafael.

A avalanche viria no segundo tempo. Sem mudanças no time, o Verdão começou a ver o espetáculo de Navarro desde o primeiro minuto, quando virou a cabeça. Depois foram mais três gols seguidos do camisa 29, até dar mais uma assistência a Rony para o sexto. Raphael Veiga, que entrou no segundo tempo com o camisa 10, fez mais dois no final.

Enfrentando um oponente fraco, o Palmeiras Ele fez o que tinha que ser feito: assumiu o jogo e dominou o tempo todo, até deixando para trás no placar. No final, eles tiveram 67% de posse de bola e 26 chutes, contra apenas um do Independiente Petrolero.

É óbvio que a atuação de Navarro foi praticamente perfeita apenas com os números: quatro gols e uma assistência para o outro. Mas antes disso já era o melhor do quarteto atacante.

Gol de Rafael Navarro no Palmeiras x Independiente Petrolero — Foto: Marcos Ribolli

De um jogador que começou com 13 jogos sem marcar, o atacante agora pode se gabar de ter marcado seis gols em apenas dois jogos na Libertadores. Ele também é o artilheiro da competição após duas rodadas da fase de grupos.

O palmeirense já vivenciou situação parecida: em 2020 Rony foi o atacante que conviveu com o jejum e foi marcar pela primeira vez pela Palmeiras em Libertadores. Na terça-feira, ele igualou Alex como o maior artilheiro de todos os tempos do clube na competição, com 12 gols.

Embora com a média atual e facilidade de toque, Navarro possa até pensar em entrar nessa luta, o recorde agora é o mínimo para ele. O importante é sentir menos pressão em campo.

Assista à coletiva de imprensa pós-jogo do Palmeiras, com João Martins e Rafael Navarro

A influência do jovem de 21 anos é clara, especialmente porque outro grande nome não chegou ao trabalho, tendo tentado nomes como Alario e Pedro. Se há algo que incomoda os torcedores no início de 2022, já com dois títulos fortes, é a falta de contratação desta camisa 9.

A boa largada de Rafael Navarro não significa que os problemas dos postes acabaram. Mas agora está se tornando uma peça que pode ser importante no casting de Abel Ferreira. Não há outro jogador na equipe com suas características.

“Um dos maiores Palmeiras de todos os tempos”, diz Leandro Bocca | A voz da multidão

Embora o Independiente Petrolero tenha causado muito poucos problemas para o Palmeiras, Navarro aproveita e fecha a noite em grande estilo. Gabriel Veron, que não havia feito grandes partidas, também acabou causando uma boa impressão, principalmente quando jogou na lateral direita, jogando contra Dudu, poupado nesta noite.

Em uma chave cada vez mais acessível, o Verdão conquistou duas vitórias em dois jogos e rodou o elenco. Assim, ele consegue trabalhar na recuperação de jogadores como Navarro e Veron e descansar os titulares pensando também no Brasileirão e na Copa do Brasil.

— Foto: Reprodução

A Podcast do Palmeiras está disponível nas seguintes plataformas:

Leave a Reply

Your email address will not be published.