Análise: Cruzeiro faz 2º tempo de almanaque; atuação e vitória no Sul da confiança para declaração | cruzeiro

O Cruzeirofinalmente, está no G-4 da Série B do Campeonato Brasileiro. E está lá por uma vitória com méritos. A atuação no 2 a 0 sobre a Chapecoense, em Santa Catarina, deve servir de exemplo para o restante da temporada, para construir o resultado que todos no clube querem: a presença no grupo de acesso na 38ª rodada.

O jogo foi de minuto contra defesa o primeiro. Na Chapecoense, eles postou inteira na defesa, prontos para explorar contra-ataques. O Cruzeiro não bola nem de saída, mas também com a produção de lançamentos.

Bidu foi a principal arma do tempo na primeira etapa, sendo uma ponta esquerda. Mas sentir falta de companhia para a tabela chegar ao fundo e ter mais possibilidades para encontrar os atacantes em condições de finalização. Foi um primeiro tempo de domínio territorial, mas de pouca produção, sem chances claras.

Totalmente oposto ao segundo tempo. O Cruzeiro voltou com a mesma forma, mas muito mais que formação que melhor estratégia já era boa no primeiro tempo. Forçou os erros da Chapecoense na saída, roubou a bola no meio e fez o jogo aproximar em 50% do campo.

Cruzeiro comemora gol sobre a Chapecoense — Foto: Staff Images

Queria a bola o tempo inteiro, sempre sem ataque e em direção ao gol defendido por Vagner. Os zagueiros ganharam campo e lideraram essa pressão bem feita sobre o aparelho de forma compacta. Conseguiu chances pelos lados, pelo meio e em quedas de fora da área. O goleiro da Chapecoense era o melhor em campo. Foi um verdadeiro amasso.

O Cruzeiro terminou o jogo com 23 finalizações, e a Chapecoense com 5

O desafogo saiu apenas aos 37 minutos, com Geovane, e o golpe final, com Edu, aos 41, mas por vacilos na definição. A construção funcionou muito bem, e Cruzeiro poderia ter vencido de forma muito mas tranquila. Se fica um adendo sobre o triunfo em Chapecó, é justamente a necessidade de ser mais efetiva para colocar bolas na rede.

Assistir: sóbrio tudo o Cruzeiro no ge, na Globo e no Sportv

Fora isso, o Cruzeiro fez o jogo do ano em Santa Catarina, principalmente no segundo tempo. Teve, boas atuações no bem algumas mais mínimas, mas contra atuações. Nesse sábado, foi diante de um tempo qu’inicia a Série B se colocar em condições de brigar lá em cima. Se não tem muita qualidade, demonstre qualidade coletiva. Fator que potencializa o que fez o Cruzeiro. Atuação de almanaque.

Pezzolano volta a subir o tempo no meio tem flancos importantes e chegada de reforços. Isso exige tempo e trabalho. O Cruzeiro vai oscilar, terá jogos ruins e tropeços. Mas o importante é, mostrando ainda a Série B, que o trabalho tem caminhos muito bem dentro de campo.

“O Cruzeiro amassou!”, diz Fernanda | Na Voz da Torcida

Os 50 minutos finais em Chapecó são importantes não só para a tabela, com a chegada inédita ao G-4, mas principalmente para a confiança sobre o trabalho como um todo. Resultado e atuações que aumentam ainda mais o astral interno e externo. E em um momento importante, antes do jogo mais esperado da Série B, contra o Grêmio, e de uma decisão contra o Remo, na Copa do Brasil. O Cruzeiro inicia a semana mais preparado psicologicamente do que terminou a última.

O que também dá confiança ao fato de sistemas projetados podem ser comparados em peças. Os três zagueiros vão evoluir, com um caminho ainda a ser percorrido. Enquanto há jogadores em fase ruim, como Rômulo, Rafael Santos e João Paulo, outros caminham opostos, como Geovane, Bidu e Neto Moura para citar as posições do trio em queda. Near that o grupo, tão importante está na caminhada da Series B, também em crescimento.

O podcast ge cruzeiro está disponível nas seguintes plataformas:

Sócio 5 Estrelas – Cruzeiro — Foto: Divulgação

Leave a Reply

Your email address will not be published.